CAPÍTULO 3 - Nicole


Meu quarto ficava no segundo andar, próximo ao de Sarah. Havia um corredor comprido com várias portas. A segunda era o quarto em que eu ficaria. E ele era enorme. Branco com preto, com uma casa de casal, mesa de cabeceira e onde devia haver um roupeiro, havia na verdade uma estante para livros, já com vários, e dois pequenos sofás. Me senti no paraíso, mas ainda não havia acabado. A janela era quase da largura da parede e era gigante. Através dela eu podia observar o pátio gramado da casa e ver, ao longe, um dos pontos turísticos mais famosos e bonitos da cidade. Era uma visão linda, recheada de prédios altos e casas. Eu tinha certeza de que iria amar aquele lugar. Faint Ville era uma cidade úmida, e eu amava a chuva. Poderia vê-la através da janela quando eu quisesse. E se não estivesse satisfeita, poderia simplesmente fechar a cortina. Havia uma porta que levava ao primeiro quarto do corredor. Para minha surpresa, encontrei ali uma penteadeira e vários manequins vazios, próximos a um armário preto. Tenho um closet. Nunca pensei se quer em morar em um lugar como aquele. Era mais do que eu podia pedir.
Desarrumei minhas malas e coloquei as roupas nas gavetas de um armário do closet. Fiz questão de deixar os manequins sem nenhuma peça de roupa. Ia contra meus princípios usar esse tipo de coisa. Minha pouca maquiagem foi colocada na gaveta da penteadeira, e eu descobri que havia mais uma variedade enorme de coisas ali dentro. Mas eu não usava muita maquiagem nem tinha muitas roupas para enfeitar tudo aquilo. Apenas possuía o essencial, e isso bastava. Guardei a mala no armário, em uma parte inutilizada, e fui dar uma olhada na minha nova estante. Haviam vários livros que eu sempre quisera as mãos. Livros de todos os gêneros, para os mais variados gostos. Havia uma prateleira reservada também para cd’s e discos de vinil antigos. Logo sentei em minha poltrona e coloquei música para tocar. Era relaxante. Mas uma batida na porta me distraiu. Era tio John.
- Espero que tenha gostado. Sabia como gostava de ler e que tinha uma ligação especial com música, então selecionei alguns dos favoritos da sua mãe e outros que minha noiva ajudou a escolher para você. Esse lugar era um quarto de hóspedes, por isso mandei adaptarem do seu jeito. Se quiser que eu mude sua decoração, é só pedir.
- Não! De jeito nenhum, não quero lhe dar trabalho, e de qualquer forma não vou passar tanto tempo assim aqui. Está tudo ótimo. - Ele sentou-se na segunda poltrona do quarto, em frente à minha.
- Olhe, eu preciso conversar com você sobre o que aconteceu. - Disse. Eu respirei fundo e coloquei o livro que segurava de lado.
- Muito bem. Estou aqui.
- Você sabe que seu pai e eu não éramos muito próximos, e nos afastamos ainda mais depois de sua mãe ter falecido. Foi realmente uma tragédia. E ele me deixou avisado de que se alguma coisa acontecesse com ele, eu deveria assumir o cargo de tutor. Já está tudo resolvido legalmente, por isso estou aqui e vocês também. - Ele abotoou o casaco. Estava frio, e eu havia deixado uma parte do vidro da janela aberto. A metade de cima era maneável, então pude deixar uma fresta aberta e o vento tomou conta do quarto. - O que aconteceu não foi nada bonito. Mas quero que saibam que estarei aqui para o que precisarem, e estou disposto a tudo. - Ele sorriu, e eu retribuí.
- Já está exercendo sua função muito bem. Eu e Sarah estamos muito gratas por tudo o que tem feito pela gente. Além do mais, sempre foi nosso sonho conhecer Faint Ville. Morar aqui vai ser melhor ainda. - Falei. Suspirei. - Eu estou chateada com tudo o que aconteceu. Não é justo, entende? Eu sei que não foi ao acaso que ele morreu. Mas onde quer que esteja, está muito feliz com a mamãe. Só... foi rápido demais. Essas coisas normalmente ocorrem sem aviso, eu sei, mas não pude deixar de sentir uma pontada de raiva por ele ter ido sem se despedir. Iremos ficar bem. Não quero que se preocupe. Fale com Sarah. Talvez ela precise de consolo mais do que eu.
- Certo... - Ele parecia não saber o que fazer. Confuso. - Sobre a escola, você acha que fiz uma boa escolha? O ano letivo é no mesmo período do que sua antiga escola, então você já sabe como funciona. Matriculei você no terceiro ano e sua irmã na oitava série, estou certo?
- Está sim. Obrigada.
- Ok. A partir de terça-feira vocês irão praticamente morar lá. Terão aula no período normal, e no oposto, poderão tirar um tempo para ir à biblioteca, estudar ou fazer alguma atividade extra. Eles vão explicar as regras para vocês quando chegarem lá, de qualquer forma. Queria ter mais tempo para mostrar toda Faint Ville para você, mas você sabe como é o trabalho. Amanhã deixarei vocês com minha noiva, Anna, e ela poderá ajudá-las a comprar o material escolar e a buscar seus uniformes. Vocês, garotas, se dão melhor juntas. E ela ainda pode opinar sobre as coisas que vocês escolherem.
- Tudo bem. Mal posso esperar. - falei, sorrindo.
- Aliás, ela vem jantar aqui esta noite. Está ansiosa para conhecer vocês. - ele se levantou. - Preciso falar com Sarah. Se me dá licença...
Tio John não era dali, mas devido ao tempo que passara em Faint Ville já havia adquirido o sotaque local. O que não me incomodava nem um pouco. Eu adorava o sotaque, mas essa era apenas uma das coisas que me fazia achar o lugar adorável. Em pouco tempo, tomei banho, me arrumei para o jantar e li um pouco. Fui checar a lista de materiais da escola em meu notebook novo e a imprimi no escritório de tio John, juntamente com a de minha irmã, que estava radiante com tanta novidade. Conversando comigo, me contou que estava ansiosa para conhecer Anna e finalmente voltar a estudar. Principalmente porque, diferente das outras adolescentes, sempre quisera estudar em um colégio interno. Mas talvez todos pensem assim até de fato estudar em um. No tempo que me havia sobrado, escrevi um pouco em meu diário. Não era exatamente um diário, mas eu o chamava assim porque costumava anotar pensamentos e o carregava comigo onde quer que fosse. Acabara de completar as últimas duas folhas quando Sarah bateu na porta do meu quarto e disse que Anna estava lá em baixo. Sarah estava linda, com um vestido de mangas compridas que ia até o joelho. Estava frio, mas a casa era climatizada, então não sentíamos muito "o inverno". Eu vestira uma camiseta básica branca e calça jeans, juntamente com meus tênis all star favoritos. Nós duas descemos juntas, e encontramos Anna e tio John na sala de jantar. Não podia negar que ela era linda. Possuía cabelos castanhos e olhos azul claro.
- Ah, finalmente! - exclamou tio John - Anna, quero que conheça minhas sobrinhas Nicole e Sarah.
- Olá! Eu sou Anna. É um prazer finalmente conhecê-las. - Ela sorriu e nos abraçou. Parecia uma boa pessoa, e isso se provou verdade com o decorrer da noite. Se ela fingia ser tão amável, estava encenando muito bem.
- Bem, preciso ir. Já está tarde. Mas amanhã voltarei, e então podemos ir às compras. - Ela riu. - Estou ansiosa para passar um tempo com vocês, meninas.
Anna despediu-se da gente e de Tio John e foi embora. Eu e Sarah fomos cada uma para o seu quarto, e logo peguei no sono. Alguns sonhos ainda perturbavam minha noite. Era como se eu revivesse o dia da morte de meu pai. A escola, o café, o garoto que me olhava, a multidão na rua. Acordava várias vezes durante a noite, perturbada. Mas decidi que não deixaria que aquilo me me abalasse mais. Eu seria feliz, e tinha tudo para isso. Bem, quase tudo.
---
Anna chegou cedo na manhã seguinte, logo após tio John ter saído para trabalhar. Tomamos café e nos aprontamos para sair. Nevava lá fora, mas nada que nos impedisse. Mesmo já tendo tomado o café da manhã, paramos em uma cafeteria para beber alguma coisa, já que o clima frio nos impedia de permanecer quentinhas em nossos casacos. Logo saímos dali com um café na mão e fomos a diversas lojas diferentes. Anna conhecia a cidade como a palma de sua mão. Indicou que escolhêssemos roupas e materiais novos a partir da lista que tínhamos, e foi o que fizemos. O uniforme implicava que vestíssemos pelo menos a camiseta da escola, mas também compráramos moletons e calças para educação física.
Escolhi meu material e uma mochila nova para poder levar tudo o que eu precisava para a escola. Anna também nos fez escolher malas para levar ao colégio, já que ficaríamos lá boa parte do tempo. Não foi difícil escolher tudo, mas ela nos levou a tantos lugares diferentes que logo eu já estava confusa com o que ainda devia comprar. Ela acabou deixando que eu comprasse mais um livro. Em minha defesa, eu não havia encontrado aquele na estante.
Sarah também fez suas compras, e insistiu em me mostrar coisa por coisa quando chegamos em casa. Em nosso passeio, embora nevasse bastante, consegui ver uma boa parte de Faint Ville que eu não conhecia. Era melhor do que eu pensava. E agora não via a hora de ir para a escola. Esperava me sair bem. Iríamos pra lá bem cedo no dia seguinte, já que a escola ficava bem no interior da cidade. Segundo Tio John, era um lugar bem aconchegante, e a própria Anna nos disse que havia estudado lá por algum tempo, o que nos acalmou. Mas ainda assim estávamos ansiosas para o dia seguinte.
Li bastante durante aquele dia e consegui terminar um dos livros que Tio John me dera. O primeiro de muitos. Assisti a um filme com Sarah e depois subi para arrumar minhas coisas. A mala maior seria para roupas. Coloquei os conjuntos de uniforme que haviam sido comprados no mesmo dia, camisetas normais para o final de semana e calças jeans. Não poderiam faltar os casacos. Sobrou um pequeno espaço, onde consegui encaixar alguns pares de sapato e objetos para higiene pessoal. Separei alguns adereços de cabelo e lá estava minha primeira mala. Pronta. Arrumei todo o meu material na bolsa da escola, e na segunda mala coloquei alguns livros e objetos que gostaria de levar comigo, como meu notebook e dois ou três porta-retratos. Passei bastante tempo no meu quarto, escrevi em meu novo diário e desci apenas na hora da janta. Fui dormir bastante cedo, se comparado ao que eu estava acostumada. Talvez pelo fuso horário. Não era muito diferente, porém ainda assim eu sentia. Escutei música com meus fones de ouvido até pegar no sono. Foi uma noite tranquila, mas acordei diversas vezes devido a ansiosidade. Acordei por volta das 5h30min do dia seguinte, fui para o banheiro e tomei um banho. Deixei que a água quente aliviasse a tensão. Vesti uma roupa normal - calça jeans, camiseta e casaco - e esperei até que Tio John me chamasse. Tomamos o café da manhã, e então era hora de ir. Arrumamos as malas no carro, peguei minha bolsa e seguimos para a nova escola, que ficava a mais ou menos uma hora dali.